• 06/09/2017
  • 9:36 am
  • Geral - Notícias
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

A dieta cetogênica vem ganhando atenção do público com a promessa de emagrecimento rápido. A lógica é simples: ela propõe a redução brusca na ingestão de carboidratos, substituídos por gorduras. Como os carboidratos são a principal fonte de energia do organismo, na falta deles a reserva de gordura é acionada. E a perda de peso pode não ser o único benefício dessa alteração nos hábitos alimentares, sugerem dois estudos independentes publicados nesta terça-feira no periódico “Cell Metabolism”. Resultados de experimentos com camundongos revelam que a restrição de carboidratos, com aumento na ingestão de gorduras, melhora a memória e aumenta a longevidade dos animais.

“O fato de termos tido um efeito tanto na memória quanto na preservação da função cerebral é realmente excitante”, comentou Eric Verdin, presidente do Instituto Buck para Pesquisas sobre o Envelhecimento, na Califórnia, e coautor de um dos estudos. “Os camundongos mais velhos em dieta cetogênica tinham memória melhor que camundongos mais jovens. Isso é realmente notável.”

Ambos os estudos dividiram as cobaias em três grupos, usando animais adultos. O primeiro seguiu dieta cetogênica, o segundo recebeu alimentação com baixo carboidrato e o terceiro foi o controle, com refeições normais. Depois, eles foram testados em várias tarefas, como labirintos, equilíbrio e roda para corridas. Testes adicionais verificaram a função cardíaca e a regulação da expressão genética. Os resultados mostram que a dieta cetogênica influenciou a sinalização de insulina e padrões de expressão genética tipicamente provocados pelo jejum.

“A conclusão que extraímos dos experimentos é que o efeito é robusto”, disse Verdin. “Os dois estudos se reforçam, porque ambos mostram o mesmo efeito global na saúde.

MANUTENÇÃO DA FORÇA FÍSICA COM O ENVELHECIMENTO

Enquanto os dois estudos mostraram melhorias na longevidade e em testes de memória, um deles concluiu que a dieta cetogênica preservou a aptidão física, como a força nas patas, em animais mais velhos.

“A magnitude das mudanças me surpreendeu”,  disse Jon Ramsey, professor da Universidade da Califórnia, em Davis, e autor sênior do segundo estudo. “Nós tínhamos a hipótese de que a mudança no metabolismo induzida pela dieta cetogênica teria efeitos benéficos no envelhecimento, mas fiquei impressionado com as mudanças que observamos.”

A dieta cetogênica tem sua origem no jejum. Há tempos que existe um reconhecimento de que a prática do jejum tem efeitos no emagrecimento, e no início da década de 1920, médicos descobriram que poderiam imitar os benefícios do jejum para pacientes com epilepsia cortando a ingestão de carboidratos. Quando os níveis de carboidratos são suficientemente baixos, o fígado começa a converter gorduras em ácidos graxos e corpos cetônicos, usados pelo organismo para gerar energia. Mas o corte dos carboidratos precisa ser drástico: os dois estudos usaram dietas em que gorduras representaram entre 89% e 90% do consumo calórico.

Mas a dieta apresenta riscos. Por exemplo, os camundongos que seguiram a dieta cetogênica poderiam ficar obesos, por isso, a equipe de Verdin alternou a dieta com alimentação normal, e os pesquisadores da Universidade da Califórnia limitaram a ingestão de calorias. Essa diferença técnica pode explicar porque, no segundo estudo, os camundongos mantiveram suas capacidades físicas com o envelhecimento.

RISCOS DE DEFICIÊNCIA EM VITAMINAS E EFEITO SANFONA

Contudo, especialistas alertam que os estudos foram realizados com camundongos, não com humanos, e, por isso, não é recomendável que as pessoas comecem dietas desse tipo por conta própria. Além disso, existem riscos associados, já que a substituição dos carboidratos por gorduras provoca deficiência em vitaminas e minerais.

“Sempre existiu um interesse humano de restringir a ingestão de carboidratos a níveis extremamente baixos para induzir a perda de peso, mas na maioria dos estudos essas dietas foram testadas por tempo muito curto pela dificuldade dos humanos em seguirem com esses hábitos alimentares”, comentou Helen Truby, professora do Departamento de Nutrição na Universidade Monash, na Austrália, que não participou das pesquisas. “Isso significa que um adulto consumiria apenas entre 20 e 30 gramas de carboidratos por dia, um padrão que leva à deficiência em vitaminas e minerais, a não ser que a dieta seja cuidadosamente construída, com apoio de suplementos.”

Além disso, alerta a especialista, a conversão de gorduras em corpos cetônicos pode realmente levar ao emagrecimento, mas muitas vezes o peso perdido é recuperado após o fim da dieta, a não ser que a pessoa seja capaz de manter uma alimentação pouco calórica.

“Então as pessoas devem começar dietas cetogênicas? A resposta é não, a não ser que seja indicação médica, sob supervisão de um nutricionista que possa garantir a adequação nutritiva”, recomendou a especialista.

 

Matéria Retirada na Íntegra do Portal Gazeta On Line.